.

facebook: clique aqui
danielgil@danielgil.com.br




.

L



1.
Dar de galocha no ouro:
As chances de Philip Pirrip
Por alto, eram baixíssimas.
E descabidas, um pouco:
Ou Estella virava outra
Ou seria um outro, Pirrip.

2.
São quantas mágicas o circo?
Esferas vermelhas se furtam
Naufragam, mas subitamente
Se multiplicam! — Similares
Às sílabas do amor há muito
Embargadas... E como é forte
Vigoroso, quantos ponteiros
Param durante os exercícios
Dos quadríceps do trapezista!
Eles enlouqueceram tantas!
Foi da habilidade acrobática?
Ou dos entalhos, do circuito
Da musculatura? De quantas
Petulâncias enlouquecidas
Armou-se a metodologia
Do domador das bestas-feras?
Qual bravura! Que atrevimento!
— Malabarista dos instintos
Almeja ser menos selvagem...
Na viril e delicadíssima
Arte do atirador de facas
Algo entre excitação e medo
Imobiliza a mulher-alvo:
É quando se deitam as flechas
Dessa incurável insensatez!
Mas ambição mesmo seria
Acender os cinco sentidos
A cada expressão. Ao menor
Suspiro, cuspir do calor
Que se desaperta no peito.
— Cuspidor de fogo, tua mágica
Murmura na melancolia?

3.
Abrir um livro
E em vez de histórias
O sobressalto dos
Cupins.

4.
A lona incandescente
Caía como gotas de fogo
O bombeiro bradava “quem está vivo levanta a mão”
A elefanta esmagou crianças e adultos, em disparada
A elefanta salvou centenas ao
Abrir um rombo na lona incandescente
O país virou referência em cirurgia plástica
A mãe reclamou que os três chegaram
Sujos de fuligem
A sobrevivente conta que recebeu a extrema-unção
Voluntários enterravam os mortos em um
Cemitério construído às pressas
Um pequeno empresário obteve uma revelação divina
Deixou a mulher, quatro filhos
Virou profeta.

5.
Dar de galocha no ouro:
As chances de Philip Pirrip
Por alto, eram baixíssimas.
E descabidas, um pouco:
Ou Estella virava outra
Ou seria um outro, Pirrip.

§

Nenhum comentário: